Adicionado por em 2015-08-01

VERSO PARA MEMORIZAR: “‘Não pense que pelo fato de estar no palácio do rei, de todos os judeus só você escapará, pois, se você ficar calada nesta hora, socorro e livramento surgirão de outra parte para os judeus, mas você e a família de seu pai morrerão. Quem sabe se não foi para um momento como este que você chegou à posição de rainha?’” (Et 4:14, NVI).

Leituras da semana: Et 1–10; 1Co 9:19-23; Jo 4:1-26; At 17:26; Mt 22:21; Rm 1:18-20

Ester foi usada para executar uma missão de alto nível, especializada, dentro do perigoso centro político do império persa. Sua missão a envolveu numa série de contrastes notáveis. Sendo órfã, do sexo feminino e membro de uma desprezada minoria étnica e religiosa que vivia na superpotência de sua época, ela acabou se tornando a esposa do rei persa. Esse não foi um conto de fadas sobre alguém que foi da miséria à riqueza. Em vez disso, ela foi tirada da obscuridade e preparada para executar uma missão altamente especializada.

Isso exigiu de Ester a arriscada estratégia de trabalhar, a princípio, secretamente. Mais tarde, ela teve que fazer uma perigosa e completa revelação de sua etnia e de sua fé.

Apoiada pelo primo e pai adotivo, Mordecai (ou Mardoqueu [ARC, NVI]), o ousado testemunho que ela deu na corte do império persa, que era dominada por intrigas, salvou seu povo, reverteu o baixo status social dos judeus e os tornou objetos de admiração em todo o império.

Sem dúvida, como resultado de sua fidelidade, o conhecimento do Deus verdadeiro se tornou mais disseminado entre seus captores pagãos. Embora não seja uma história missionária comum, a narrativa de Ester e Mordecai apresenta alguns princípios interessantes que podem nos ajudar a compreender o que significa
testemunhar em circunstâncias peculiares.

No mês de agosto, ofereça esperança à sua comunidade realizando o Projeto Quebrando o Silêncio.

Sua dedicação pode salvar vidas.